O que é?

O que foi o Genocídio Armênio

“Genocídio” segundo o dicionário Merriam-Webster é a “deliberada e sistemática destruição de um grupo racial, político ou cultural”. O genocídio armênio, período sombrio da história, ocorreu entre 1915 e 1923 totalizando cerca de um milhão e meio de armênios mortos por ordens do governo otomano.

 Quem foram os responsáveis

Os principais responsáveis pelo planejamento do genocídio foram os membros Comitê União e Progresso, partido político nacionalista que aglutinava os chamados “Jovens Turcos”. Entre os nomes mais influentes estão os dos ministros de Estado Mehmet Talaat Paxá e Ismail Enver Paxá.

Quais foram as motivações para o genocídio

Turcos, armênios, curdos, gregos, judeus e outros povos conviveram por séculos no Império Otomano. No século 19, o império começava a perder seus territórios na Europa e, com o início da 1ª Guerra Mundial, o governo otomano temia perder também as terras ocupadas historicamente pelos armênios na Ásia Menor. Além disso, os armênios estavam situados na fronteira entre os impérios otomano e russo, o que interessava a ambos pela posição estratégica de guerra.

Como tudo começou

O governo dos Jovens Turcos implantou a política do panturquismo. O objetivo era instaurar no Império Otomano uma política que valorizasse os povos turcos e turco-descendentes em detrimento de outras etnias, sobretudo aquelas que adotavam o cristianismo, como os armênios, gregos e assírios.

Como tudo aconteceu

No dia 24 de Abril de 1915, 250 líderes e intelectuais foram presos em Constantinopla, atual Istambul, capital do Império Otomano. A partir de então tropas regulares e paramilitares se dirigiram para cidades de todo o país obrigando as famílias armênias a deixarem suas casas em caravanas de deportados rumo aos desertos da região, principalmente Der-el-Zor. Centenas de milhares de armênios foram deportados de suas casas e terras. Muitos morreram no caminho por fome, sede, inanição, moléstias ou atacados pelas tropas que deveriam zelar pela sua integridade física.

Qual a luta dos armênios

Hoje, a principal luta de milhões de armênios e não armênios é pelo reconhecimento mundial das atrocidades cometidas pelos Jovens Turcos durante a I Guerra Mundial como um genocídio. Até agora, mais de vinte países reconhecem a existência do genocídio armênio (ver Quem Reconhece). Porém, o Brasil não figura nessa lista. Todos os anos, na semana do dia 24 de abril, manifestações públicas em memória das vítimas do genocídio são organizadas em São Paulo, com o objetivo de dar visibilidade ao acontecimento histórico, à luta do povo armênio e pedir reconhecimento aos governos de Brasil e Turquia, dentro dos marcos democráticos e pacíficos. Como diziam os armênios mobilizados em 2005, “não há ódio, só mágoa”.

Av. Tiradentes 718, São Paulo – SP, Brasil

(11) 3227-6703 | E-mail: contato@paroquiaarmenia.org.br