Igrejas Armênias serão restauradas no IRÃ

 O Mosteiro de São Judas Tadeu , um antigo templo armênio, no oeste do Irã, será revitalizado.

Por Sidinei Fernandes, com Agências, São Paulo

A Organização  Patrimônio Cultural para de Artesanato e Turismo do Irã, vai destinar US$ 427 mil para a restauração de igrejas designadas pela UNESCO pelo país, de acordo com informações da Agência de Notícias IRNA. O vice presidente, Mohammad-Hassan Talebian, disse que é preciso preservar igrejas históricas.

Um dos Templos a ser restaurado é o Mosteiro de Santa Tadeu, um antigo mosteiro armênio localizado na área montanhosa do oeste do Irã, Azerbaijão província, cerca de 20 quilômetros da cidade de Maku. O mosteiro é visível à distância por causa da solidez da igreja, fortemente caracterizada pelos tambores poligonais e telhados cônicos de suas duas cúpulas. Há várias capelas vizinhas: três em colinas a leste do córrego, um sul de aproximadamente três quilômetros do mosteiro na estrada para Bastam, e outro que serve como igreja da aldeia de Ghara-Kilise.

O mosteiro foi reconstruído após um terremoto danificá-lo em 1319. Algumas das partes que cercam a abside do altar datam do século 10. Grande parte da estrutura atual do mosteiro data de 1811. A extensão ocidental duplica o design da Catedral Etchmiadzin.

Em julho de 2008, o Mosteiro de St. Thaddeus foi adicionado à Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO, juntamente com dois outros monumentos armênios na mesma província – o Mosteiro de São Stepanos e a Capela de Dzordzor.

As igrejas armênias e mosteiros de São Tadeu, Santo Estêvão, e a capela em Dzordzor fazem parte da Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO dentro do Irã.

As contribuições armênias ao Irã vão desde o comércio ao artesanato, à cultura, educação e até mesmo política. Apesar de o Irã hoje é muitas vezes visto como tendo um regime estrito, os armênios do país podem ser considerado uma comunidade privilegiada – a minoria cristã protegida da República Islâmica – com representação própria e uma atmosfera para manter a sua religião e cultura a um grau substancial.

A organização também planeja documentar um total de 450 igrejas armênias e 150 assírias.

Fonte: TheArmenianWeekly https://goo.gl/VqYCjS

Categorias: Notícias