Dom Vartan recebe título de Doutor “Honoris Causa”

Dom Vartan Waldir Boghossian, bispo emérito dos armênios católicos da América Latina, recebeu em 17 de maio o título de Doutor “Honoris Causa” concedido pelo Centro Universitário UniSALESIANO de Araçatuba.

Receberam o título também, o teólogo, historiador e pesquisador, Pe. José Oscar Beozzo; o pioneiro da música religiosa no país, Pe. José Fernandes de Oliveira (Pe. Zezinho); e a fundadora da Pastoral da Criança, Drª. Zilda Arns Neumann (In memoriam), representada na presença do filho, Nelson Arns Neumann, coordenador Internacional da Pastoral da Criança.

A cerimônia, realizada no Auditório Papa Francisco, foi presidida pelo Reitor da instituição, Pe. Luigi Favero, e contou com a presença de outros integrantes da Missão Salesiana do Mato Grosso; pró-reitores; coordenadores, funcionários, professores e alunos do UniSALESIANO. O prefeito de Araçatuba, Dilador Borges e a vice, Edna Flor, também estavam presentes. Cerca de 400 pessoas participaram do evento.

À Dom Vartan, foi-lhe outorgado o título acadêmico de Doutor “Honoris Causa” em Liturgia, pelos trinta e sete anos de serviços pastorais e litúrgicos nas Comunidades armênias católicas de seis países da América Latina.

Dom Vartan, da Congregação salesiana de Dom Bosco, foi ordenado Sacerdote em Roma e nomeado pelo Papa São João Paulo II primeiro Bispo para os armênios católicos da América Latina, com sede em Buenos Aires. Em seu pronunciamento, Dom Vartan, destacou a beleza e a riqueza da liturgia oriental armênia.

Agradeceu o benévolo título recebido e afirmou que o acolhia representando seu clero e fiéis, parte do Povo Armênio, mártir do primeiro Genocídio do século vinte.

 

Pronunciamento de Dom Vartan Waldir Boghossian por ocasião da Recepção do título de Doutor “Honoris Causa”

 

Araçatuba, 17 de maio de 2019

 

Sinto-me como protegido, abrigado, à sombra dos grandes méritos dos meus colegas homenageados, e pela intercessão daquela que já nos precedeu na ida à casa do Pai celeste, depois de uma vida exemplar de dedicação ao mandamento do amor.

Saúdo o reverendíssimo Padre Gildásio Mendes dos Santos, Presidente da nossa Misão Salesiana Santo Afonso Maria de Ligório, que está celebrando seus 125 anos de empenhada vida e Chanceler deste conceituado Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium – UniSalesiano.

Saúdo o Magnífico Reitor, Padre Luigi Favero, na alegria de constatar sua plena recuperação, na saúde, no ânimo, organização, dedicação e grande simpatia. Saúdo todo o Corpo Docente e Discente, as autoridades presentes, meus parentes, fiéis armênios, amigos e demais convidados.

Recebi a graça da vocação religiosa e sacerdotal dentro da Congregação Salesiana de Dom Bosco, tendo assim oportunidade de vivenciar o carisma do Fundador em diversos de nossos colégios dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e oeste de São Paulo, e no ensino superior da então FUCMAT de Campo Grande, predecessora da Universidade Católica Dom Bosco.

Com gratidão, sempre recordo nas orações dos meus formadores, continuadores da obra realizada com amor e afinco, na minha infância e juventude, pelos meus saudosos pais, Ardachês e Olga.

Aos 41 anos, São João Paulo II chamou-me para servir a Igreja como um de seus bispos e confiou-me as Comunidades armênias católicas espalhadas por toda a América Latina: Brasil, Argentina, Uruguai, Chile, Venezuela e México, tendo como sede Buenos Aires.

Escolhi o lema “Servir”, “Dzaraiél” em armênio, na esperança de poder servir, com o carisma e o coração de Dom Bosco, esse povo de história milenar, de uma vida de martírio, do primeiro povo oficialmente cristão.

(Por ser o primeiro bispo armênio desse vasto território, não havendo assim termo de comparação, fui por 37 anos o melhor bispo!..; e também o pior!..)

Quase tudo devia ser organizado em seis países. Era mister, com o dedicado e limitado Clero armênio católico, ajudar nossas famílias e Comunidades a viver a sua fé e a sua cultura.

A identidade armênia está justamente baseada nesses dois pilares, herdados do herói nacional, São Vartan, mártir da primeira Cruzada do Cristianismo, no ano 451, para defender a fé cristã ameaçada pelo império persa.

O lema proclamado era desde então: “Pela Fé e pela Pátria”. No idioma armênio clássico: “Vássen Groníts iév Haireniáts”. Todo armênio se gloria de ser descendente do herói, São Vartan!

Fizemos esculpir esses dois pilares da nossa identidade na frente da nossa Catedral São Gregório Iluminador na capital paulista: a Pátria e sua cultura estão representadas pelas letras do alfabeto armênio e a Fé, pela Cruz armênia.

A Cruz armênia é fonte de espiritualidade! Elaborada em pedra vulcânica, está disseminada por todo o território da mãe pátria Armênia, como marco de acontecimentos importantes.

Em suas extremidades brotam folhas, indicando que é a Cruz da vida, a Cruz da Ressurreição, a Árvore do Novo Testamento, a Cruz da Vitória, do Amor. As duas asas e uma esfera em sua base indicam que é a Cruz do Ressuscitado, Senhor do universo!

Pudemos incentivar na América Latina as celebrações litúrgicas no próprio rito armênio, buscando maior compreensão de seus belos rituais, fornecendo abundante material didático, para levar os fiéis à participação, especialmente na Divina Liturgia, a santa Missa. Foi possível também aprofundar os conhecimentos na liturgia armênia para difundi-la com publicações e até mesmo propor alterações.

Procuramos convocar a juventude e introduzir, adaptando os movimentos religiosos que o Espírito Santo suscitou para toda Igreja Católica, formando como um laboratório de preparação para sua introdução no Oriente. Incentivamos a cultura armênia através da escola e da edição de um dicionário espanhol-armênio, único no seu gênero.

Para facilitar e favorecer o diálogo entre Ocidente e Oriente, dentro e fora das quinze Igrejas Orientais Católicas, continuo preparando anualmente um catálogo minucioso da minha Igreja Armênia Católica em francês e das demais Igrejas em italiano.

Foi almejado e realizado um bom relacionamento ecumênico entre as diversas Igrejas armênias, Católica, Apostólica e Evangélica, na América Latina, alimentado pelo mútuo respeito e colaboração, especialmente nas atividades sociais e patrióticas. A Comunidade armênia católica de São Paulo, realiza a festa do Apóstolo da Armênia, São Gregório Iluminador, responsável pela maior concentração anual de armênios.

Mereceu destaque de unidade de ação, a celebração, em 2015, do Centenário do Genocídio Armênio, decretado pelo Império Otomano, que deixou 1.500.000 vítimas! (Os supérstites se espalharam pelo mundo, sendo também acolhidos fraternalmente pelo Brasil: nasceu assim a segunda maior comunidade armênia da América Latina.) Juntos organizamos as grandes celebrações litúrgicas católicas televisionadas, celebradas pelos senhores Cardeais, nas Catedrais de São Paulo, Rio de Janeiro e no Santuário Nacional da Aparecida e em vários outros países da América Latina.

Todas as Igrejas Armênias, inclusive seus líderes mundiais e o Presidente da República da Armênia, participaram no Vaticano, naquele ano, 2015, da santa Missa que coordenei, presidida pelo Papa Francisco, e que resultou ser o ato central do Centenário. Sua Santidade teve a coragem inédita de declarar ao mundo que a grande tragédia do Povo Armênio foi um Genocídio, o primeiro do século vinte!

As três Igrejas armênias acabamos de participar, na Assembleia Legislativa do nosso estado, em São Paulo, no passado dia 24 de Abril, Dia anual do Genocídio, da homenagem prestada ao nosso povo.

Recebo este Doutorado, representando esse Povo cristão e mártir, a Igreja Armênia Católica, com sua pastoral e maravilhosa liturgia; representando seu Clero e Fiéis da América Latina.

Ao agradecer esse gesto benévolo, que me foi concedido pelo grande Uni-Salesiano, imploro as bênçãos divinas sobre toda a família acadêmica desta casa e sobre todos os presentes.

 

Dom Vartan Waldir Boghossian, sdb

Bispo emérito de todos os Armênios católicos da América Latina